Nestas últimas semanas acompanhei o escândalo do contrabando da Toxina Botulínica em diversos estados do País e alguns profissionais da saúde envolvidos.

Precisamos zelar pela nossa classe que a pouco adentra na área da Estética com todo o respaldo e reconhecimento do CFBM, havendo inclusive uma resolução que regulamenta nossas atividades. Resolução 197 – CFBM.

A toxina ilegal estava sendo vendida por R$400,00 como diz a reportagem enquanto a legalizada, de marcas já conhecidas estão sendo comercializada por quase R$1000,00. Como podemos confiar em profissionais que tem este tipo de atitude? Que dão valor ao barato e não a qualidade e legalidadde? Como ter certeza dos procedimentos oferecidos e realizados?

Por isso para você profissional, é muito importante ficar atento às ofertas de mercado e trabalhar com os produtos legalizados sempre. Busque conhecer mais sobre os produtos e sua procedência.

Nem sempre o é mais barato vai lhe trazer os melhores frutos num tempo mais rápido, é preciso dedicação e investimento.

Vejam abaixo no site a matéria que publiquei no site da Biomedicina Estética:

“Nestes últimos meses, uma série de reportagens revela sobre a suspeita de uma quadrilha formada por profissionais da saúde e vendedores oferecendo toxina botulínica a preços baratos que até mesmo sugerem o comprometimento com a eficiência do medicamento.

Os estados do Brasil aonde a Polícia Federal já identificou a distribuição desta droga irregular são: Pernambuco, Paraíba, São Paulo, Minas Gerais, Sergipe, Alagoas, Rio Grande do Norte e Piauí.

Fonte: Polícia Federal e Folha.com.

 

Tal reportagem chama a atenção pelo fato da autoridade pública separar a utilização da toxina botulínica para fins estéticos e demais finalidades.

 

Tal matéria revela sobre a formação da “máfia do botox”.

A utilização da toxina botulínica pelo biomédico esteta é apoiada e reconhecida pelo CFBM desde 2011.

É importantíssimo que o biomédico fique atento às marcas de toxina botulínica com registro na ANVISA. Há realmente poucas marcas no mercado que estão em dia com as regulamentações, algumas delas são:

–       Botox®

–       Botulift®

–       Dysport®

–       Prosigne®

O biomédico esteta que zela pela sua atuação, está também zelando pela atuação de toda a classe.

Não podemos nos deixar seduzir por recursos com preços baixos e duvidosos. Pois como é possível sustentar qualidade, pesquisa e desenvolvimento com preços tão baixos?

Este é um caso clássico de ambição, onde profissionais se expõem ao risco de adquirr um produto mais “barato” para garantir altos lucros. Uma toxina botulínica a R$ 400,00 pode proporcionar ao profissional um retorno médio acima do visto com as Toxinas Botulínicas Legais.  Esta alta lucratividade atrai os profissionais que se deixam levar pela ganância de pagar menos e ganhar mais em curto prazo. O barato pode sair caro.

É como os mais experiêntes dizem:

O breve sabor doce do preço barato não compensa o eterno dissabor amargo de um erro.”

Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589

Presidente da Sociedade Brasileira de Biomedicina Estética – SBBME

Fonte: http://www.biomedicinaestetica.bmd.br/alerta-a-toxina-botulinica-ilegal

Artigo anteriorPáscoa a ressurreição!
Próximo artigoCurrículo Vida
CRBM: 5589 – Biomédica Esteta Ana Carolina Puga é brasileira, de Sertãozinho-SP, cidade do interior de São Paulo, mãe de uma linda filha e Mãe da Biomedicina Estética. Após ter ingressado no curso de Biomedicina pela Barão de Mauá, foi convocada a fazer Medicina na Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto-SP, porém, decidiu-se pela Biomedicina, profissão pela qual trilha uma brilhante carreira e deixando sua marca sempre por onde passa, formando-se como uma das 2 melhores alunas de Biomedicina da turma daquele ano.

1 COMENTÁRIO

  1. Boa tarde gostria que vc me tirasse uma duvida nos esteticista não podemos fazer aplicaçoes de ezima e na sua publicação esta dizendo que nos podemos me tire esta duvida aquardo sua resposta abraços.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.