Ozônio no Brasil

Mais uma vez uma matéria da Globo no Fantástico (08/07/2018) totalmente sem fundamentos, privando a população de informações verídicas e essenciais para um esclarecimento consistente em relação à Ozonioterapia.

Quando a Globo poderia ter apresentado à população brasileira que o Ozônio pode sim ajudá-los a ter mais saúde e não apenas ficar se entupindo de remédios.

Que quando se melhora um mal com remédios, vários outros novos males são trazidos juntos. Que quanto mais remédios se toma ou utiliza, mais se intoxica o organismo, reduzindo as defesas e empurrando com a barriga a vida, deixando de se bem viver.

Ao contrário disso, foi ao ar uma reportagem totalmente contra as pesquisas existentes no MUNDO.

O Brasil e a Ozonioterapia

Já há alguns anos conheci e venho me aprofundando ainda mais sobre este universo de oportunidades que está relacionado ao uso do OZÔNIO TERAPÊUTICO, como terapia complementar.

Inclusive este ano comecei a difundir a OZONIOTERAPIA entre os profissionais da saúde através de cursos, treinamentos e palestras, juntamente com duas profissionais da saúde que atuam há anos nesta área, levando saúde, alívio, benéficos aos nossos pacientes.

Inclusive, quando eu estou com dor de garganta não dispenso o gargarejo com água ozonizada. Quando surge uma ferida, uma micose, uma inflamação, eu sempre recorro ao ozônio, pois assim fico curada mais rapidamente do que com medicamentos de drogaria e sem sofrer efeitos adversos!

Estou certa de que JUNTOS (nós profissionais da saúde) podemos contribuir para o bem da população brasileira formando mais e mais profissionais com fundamentos científicos e clínicos. Ou seja, aumentando o número de profissionais capacitados, o aumento da oferta do serviço final de ozonioterapia ao paciente também cresce.

Qual é o reconhecimento da Ozonioterapia no Brasil?

Na reportagem do FANTÁSTICO do dia 8 de julho de 2018, foi alertado de que a ozonioterapia está sendo investigada no Brasil. Uma reportagem que teve como foco distorcer sobre esta terapia afirmando da necessidade de ESTUDOS CIENTÍFICOS, então pergunto: Como assim???

Como uma terapia utilizada há vários anos em diversos países da Europa, como Alemanha, Itália, já utilizada em 13 estados nos EUA, muito divulgada e utilizada em Cuba, no México, em muitos outros países e com grande desenvolvimento econômico, social e científico.

Estudos sobre ozonioterapia existem aos milhares. O que mais se tem são artigos científicos publicados em sites científicos e revistas indexadas em todo o mundo.

E por que a Ozonioterapia ainda precisa ainda passar por uma investigação aqui no BRASIL???

São mais de 3.000 referências a respeito, sites com teor científicos e revistas indexadas que já publicaram artigos de peso sobre este procedimento, inclusive estudos de DUPLO CEGO, provando a eficácia do OZONIO comparado à um PLACEBO, como está em um dos artigos publicado e muito estudado na formação do OZONOTERAPEUTA.

O trabalho cientifico realizado pelos pesquisadores Carlos Ce sar Lopes de Jesus1*, Fania Cristina dos Santos2, Luciana Maria Oliveira Bueno de Jesus3, Iara Monteiro2, Maria Sonia Sousa Castro Sant’Ana2, Virginia Fernandes Moc ̧ a Trevisani1:

Comparison between intra-articular ozone and placebo in the treatment of knee osteoarthritis: A randomized, double-blinded, placebo-controlled study

(Comparação entre ozônio intra-articular e placebo no tratamento da osteoartrite do joelho: estudo radomizado, duplo-cego, controlado por placebo.), publicado em 24 de julho de 2017, realizado no Brasil pelos: Departamento de Medicina Baseada em Evidências, Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, Departamento de Geriatria e Gerontologia, “Dante Pazzanese” Instituto de Cardiologia, Sao Paulo, Sao Paulo, Brazil.

BAIXAR PDF: JOELHO 1 – ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA – Ozonioterapia em osteoartrite de joelhos – Dr. Jesus

Acredito que são instituições sérias e de grande importância na Saúde dos brasileiros, estão sempre envolvidas em pesquisas e no avanço de curas para nossa população.

Portanto, infelizmente a reportagem que poderia falar sobre todos os benefícios da ozonioterapia e o quanto esta prática pode ajudar brasileiros a terem realmente saúde, a matéria ficou propositalmente focando em questões ultrapassadas dentro dos estudos com o OZONIO.

No Brasil, qual é validação legal da Ozonioterapia?

Recentemente, o Ministério da Saúde reconheceu o uso da Ozonioterapia como Prática Integrativa e Complementar em Saúde, em 21 de março de 2018 teve publicado a Portaria nº702 – http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2018/prt0702_22_03_2018.html

Afinal, a Ozonioterapia é uma Terapia Complementar reconhecida pelo Ministério da Saúde e está dentro das Práticas Integrativas Complementares (PICS), liberada pelo SUS no Brasil neste ano de 2018.

Pouco importa se o Conselho de Medicina reconhece ou não. Todos devem saber que a palavra do Conselho de Medicina é válida apenas na profissão deles (decisões de acórdão interno). O CFM não tem poder de Polícia Federal, Agente de Saúde e nem mesmo de Ministério Público.

Portanto, o Conselho de Medicina não tem competência alguma para investigar sobre isso ou aquilo. Essas instituições médicas se sentem com poder de polícia, mas não há legitimidade alguma nisso. Podemos ficar despreocupados.

Quem detém o poder e a competência de dizer isso ou aquilo sobre a Ozonioterapia na saúde pública e privada do Brasil é o Ministério da Saúde juntamente com a ANVISA.

Cientificamente, nós que fizemos mestrado e doutorado, sabemos que a ciência é relativa e não absoluta. Sim! Relativa quanto ao reconhecimento e ou aceitação deste ou daquele estudo científico por parte das organizações “científicas”. Caso a medicina do Brasil não queira reconhecer ou aceitar a Ozonioterapia como recurso consagrado, não há problema algum. Isso é até bom para nós biomédicos e demais colegas da saúde.

Existem muitas evidências científicas a respeito da ozonioterapia, como foi dito acima e acredite que nestes últimos 12 anos o CFM recebeu diversos trabalhos internacionais e nacionais a respeito desta prática. Porém não reconhece para a medicina o uso da ozonioterapia alegando que é necessário outras pesquisas.

Se a medicina não domina nada sobre o assunto, se ela se recusa entender, ou quando ela assume que nada domina sobre Ozonioterapia alegando que “são necessários mais estudos”, ela mesma já admite a sua própria incapacidade, incompetência e ignorância de laudar qualquer coisa sobre o Ozônio.

Se ao menos a medicina tivesse a competência de apresentar estudos científicos comprovando que a Ozonioterapia é um placebo e que não surte efeito e benefício algum à saúde das pessoas. Mas nem isso os médicos cientificistas conseguem forjar.

Portanto, como se pode querer formar opinião ou decidir sobre algo que não se entende? Mais um ato falho e debilitado dos colegas médicos. Ou seja, médicos sendo médicos.

Como atuar no Brasil com Ozonioterapia?

Para nós terapeutas e profissionais da saúde podermos atuar com total segurança no Brasil, basta existir estudos nacionais e estrangeiros de outras organizações desvinculadas e independentes ao CFM e à AMB que já tem todo o valor e reconhecimento suficientes para quaisquer órgãos públicos de todas as esferas.

A cada dia surgem mais e mais entidades e estudos científicos partindo de Instituições de Ensino Superior da Saúde reconhecidas pelo MEC validando a Ozonioterapia. Isso é bom, porque área do saber como biomedicina, enfermagem, farmácia, fisioterapia e odontologia passam a ocupar e dominar este espaço da ciência.

Hoje no Brasil os profissionais da saúde que são Ozonioterapeutas podem atuar com ozônio dentro das Terapias Complementares ou Práticas Integrativas (PICS) em diversos casos, complementando o tratamento tradicional de doenças como pé diabético, câncer, aids, úlceras, doenças vasculares, dores musculares, entre muitas outras incluindo na estética, sem qualquer dor de cabeça.

Seguno o CFM, médico não pode realizar OZONIOTERAPIA, pois o Conselho de Medicina ameaça processá-lo. Quando eu penso que os colegas médicos poderiam tratar algumas pequenas infecções com o ozônio evitando a destruição da microbiota (flora intestinal) do paciente através de fortíssimos antibióticos prescritos por outros colegas médicos alopatas, fico muito sensibilizada por aqueles médicos com visão holística, que são bem mais conscientes, mas infelizmente, estão à mercê de uma medicina ultrapassada, corporativista e de credibilidade duvidosa.

Contudo, isso gera uma grandiosa oportunidade para nós profissionais da saúde como biomédicos, dentistas, enfermeiros e farmacêuticos atuarmos com tratamentos alternativos, muito melhores, mais baratos, mais acessíveis e inovadores.

Neste momento, NÓS TERAPEUTAS podemos utilizar do método, da técnica, da terapia como tratamentos complementares inclusos nas (PICS), para auxiliar em doenças e na prevenção como propõe o SUS! Por isso, não podemos deixar de conhecer sobre esta terapia que só tem como nos ajudar em nossos atendimentos, clínicas, e certamente, ajudar muitos dos nossos pacientes que trarão ainda mais pacientes!

A Ozonioterapia pelo mundo

A Ozonioterapia foi introduzida na Alemanha no final do século XIX e faz parte do sistema de saúde há mais de 40 anos, na Itália existem diversos médicos pesquisadores sobe OZONIO e vem sendo também utilizada há mais de 30 anos que utilizam para o tratamento e a prevenção, Cuba, México e muitos outros países já estudam há anos e formam terapeutas para esta prática.

Conversando com a colega biomédica e ozonioterapeuta, Dra. Milena Castelani que vem praticando ozonioterapia há mais de 12 anos como terapeuta, pois fez diversas formações em Cuba, Argentina e outros países ela disse:

“Pesquiso e estudo Ozonioterapia há 15 anos, participei de Cursos Internacionais em Cuba, Argentina também tive oportunidade de participar de Cursos com médicos e pesquisadores alemães, onde na Alemanha a Ozonioterapia é feita no Sistema Público de Saúde a mais de 40 anos, médicos e pesquisadores Italianos, mexicanos, etc. Ao meu ver, de forma desrespeitosa a emissora abordou 2 profissionais despreparados na visão científica em relação a Ozonioterapia e veicularam de maneira sensacionalista essa materia sobre esta terapia e acredito também que a edição da matéria foi feita de maneira desfavorável em relação a defesa e esclarecimento a Ozonioterapia”.

Hoje já é conhecido que esta terapia é acessível para metade da população mundial, estando liberada e presente no sistema público de saúde em diversos países desenvolvidos. Uma terapia com baixíssimo risco de complicações, cerca de 0,0007% de riscos de complicações e cerca de 0,0001% de risco de morte.

É muito eficiente nos tratamentos coadjuvantes de feridas, cicatrizes, melhora do sistema imunológico, infecções, isquemias, necroses, entre muitas outras doenças, cerca de 250 doenças podem ser melhoradas com o uso da ozonioterapia, sem necessidade de abandonar o tratamento clássico.

Jamais um ozonioterapeuta vai orientar o seu paciente a deixar de fazer uma quimioterapia caso esteja tratando de Câncer, pelo contrário, a prática da OZONIOTERAPIA irá apenas COMPLEMENTAR o processo, o tratamento, trazendo diversos benefícios aos paciente nesta trajetória de luta contra o câncer, como foi mostrado em reportagem anterior pela emissora RECORD, em 17 de outubro de 2017, sobre a ozonioterapia, veja abaixo o vídeo:

Este método foi primeiramente regulamentado pelo Conselho de Odontologia desde 2015 como procedimento odontológico em todas as áreas da Odontologia Moderna pelo Conselho Federal de Odontologia por meio da Resolução CFO no. 166/2015.

Existem também diversos pareceres do Conselho Federal de Enfermagem sobre o uso da ozonioterapia pela enfermagem.

A dentista Dra. Maira Castelani disse à respeito da reportagem: “A abordagem foi de forma destorcida e pejorativa. Abordaram o assunto enfatizando somente a visão de um conselho, que não se interessa em se aprofundar no assunto. Nao dando assim, devida importância nos geradores de o3 com registros em ANVISA, tem inclusive Portaria do Ministério da SAÚDE reconhecendo como um tratamento coadjuvante de doenças, e tão pouco a regulamentação do CRO. Lamento tanto desinteresse da classe médica, em se aprofundar sobre esse tratamento, deixando assim de levar tantos benefícios a população. Já que utilizo há 15 anos e vejo tanto dos beneficiários ao paciente e sua eficácia com efeitos bactericida, fungicida e virucida do O3. A luta é longa e grandiosa, já que as indústrias da doença estão ganhando mais força em nosso país!”Ozônio no Brasil

A indústria e os profissionais da doença não aceitam o Ozônio

Sim! Se os médicos se referem à nós colegas profissionais da saúde, como profissionais não-médicos, vamos nos referir aos colegas médicos como profissionais da doença. Afinal, não poderia existir definição melhor não acham?

Há inúmeros médicos que desconhecem o poder do O3, mas os poucos que conhecem lutam diariamente por reconhecimento e melhor utilização para o bem da população.

Acredito que mesmo havendo uma certa discriminação para com os profissionais da saúde por alguns médicos, gostaria de aproveitar para deixar aqui um desejo de unificar a classe da saúde, incluindo os médicos juntamente conosco pois somos todos profissionais da Saúde.

Nós deveríamos lutar juntos à favor da saúde pública, do bem estar, da longevidade saudável, pois há muitos médicos que querem se envolver com a saúde e prevenção, lutam para a mudança do paradigma da imagem do médico como o “curador” de doenças, fazendo dele um “deus” que tem a “cura” em suas mão.

E na verdade são também profissionais da Saúde que podem sim trabalhar não só com o indivíduo doente, mas com o indivíduo sadio, proporcionando mais saúde, mais vida e maior qualidade em seus dias com uma medicina moderna, e que certamente para isso será necessário fazer uma medicina diferente da feita até aqui.

Medicina, esta que por sua vez, a indústria da doença, vamos definir como sendo grandes grupos farmacêuticos aliados às especialidades médicas, tendo como objetivo criar um elo insalubre de dependência de todo o sistema de saúde nacional. Para mudar este paradigma os médicos deve sim deixar de serem os “CURADORES” e passarem a serem os agentes de saúde como nós profissionais biomédicos, farmacêuticos, nutricionistas, enfermeiros, fisioterapeutas, dentistas e outros somos.

Enquanto todo o mundo científico da saúde conhece, já estudou e estuda ainda sobre ozônio, utiliza desta terapia na saúde e na prevenção de doenças, divulga e conscientiza a população sobre os benefícios da ozonioterapia no MUNDO, aqui no Brasil o conselho de medicina tenta evitar a todo o custo o crescimento da ozonioterapia sob a desculpa de que se faz necessário mais evidências. Mas para o Ministério da Saúde não é bem assim!

Precisamos defender o uso do ozônio pois quem ganha é a população brasileira, por exemplo, no Brasil 11 pessoas são amputadas POR HORA, segundo dados do Ministério da Saúde – Saúde nas Redes. De acordo com os estudos internacionais realizados em vários países, a Ozonioterapia pode evitar amputações entre 45% a 95% dos casos, você sabia disso????

Ainda, em relação à economia você sabia que a aplicabilidade da Ozonioterapia no SUS, realizados pela Dra. Celina Ramalho, doutora em Economia da Saúde e Professora da Fundação Getúlio Vargas – FGV, em São Paulo, indicaram que a técnica pode economizar até 80% dos recursos financeiros em algumas doenças.

O quanto de perda financeira que a indústria da doença visualiza com a expansão da ozonioterapia por todas as profissões da saúde, categorias que eles não tem qualquer influência e controle?

E você que não é o profissional da saúde, não é o terapeuta, fique atento com a manipulação da maior indústria do mundo (a indústria da doença), pois um gás como no caso do ozônio não pode ser PATENTEADO, e sendo assim, não interessa ser defendido quando comparado com diversos tratamentos medicamentosos, principalmente quando seus benefícios são muito maiores aos medicamentos que usamos constantemente!

Estamos passando por momentos importantes, o esclarecimento é necessário, a manipulação através da TV deve ser analisada e repudiada por nós usuários, nós profissionais da saúde e não vamos deixar com que uma única reportagem diga qual é o único e melhor caminho para a sua saúde e a saúde no Brasil!

Artigo anteriorFototipo da pele. Você sabe o seu?
CRBM: 5589 – Biomédica Esteta Ana Carolina Puga é brasileira, de Sertãozinho-SP, cidade do interior de São Paulo, mãe de uma linda filha e Mãe da Biomedicina Estética. Após ter ingressado no curso de Biomedicina pela Barão de Mauá, foi convocada a fazer Medicina na Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto-SP, porém, decidiu-se pela Biomedicina, profissão pela qual trilha uma brilhante carreira e deixando sua marca sempre por onde passa, formando-se como uma das 2 melhores alunas de Biomedicina da turma daquele ano.

6 COMENTÁRIOS

  1. Estou totalmente de acordo com a dra ANA CAROLINA PUGA.
    SOMENTE APÓS SER SUBMETIDA AO TRATAMENTO COM OZÔNIO, QUE OBTIVE TOTAL ALÍVIO DAS DORES NOS JOELHOS QUE QUASE ME IMPEDIAM DE ANDAR E SENTAR.
    DEIXEI DE USAR OS MEDICAMENTOS QUE ME INTOXICAVAM.
    Obs. SEM NENHUM EFEITO COLATERAL.
    COMPLEMENTANDO: O PROCEDIMENTO DEVE SER FEITO POR ESPECIALISTA

    • Sim Vera,

      realmente a ozonioterapia é sem dúvidas muito melhor do que alguns dizem por ai… eu também tive uma ótima experiência com a ozonioterapia. Vamos seguir esclarecendo a população brasileira sobre os grande benefícios desta terapia, principalmente como complementar a diversos tratamentos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.