Responsabilidade do erro biomédico

Primeiramente, todos os procedimentos já aprovados na Biomedicina Estética têm um baixo risco de lesão uma vez sendo respeitados os parâmetros de biossegurança preconizados em nossa classe.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

Primeiramente, todos os procedimentos já aprovados na Biomedicina Estética têm um baixo risco de lesão uma vez sendo respeitados os parâmetros de biossegurança preconizados em nossa classe. Todos os tratamentos já devem partir do princípio de evitar ao máximo a exposição do biomédico a situações que o deixará em “maus lençóis”. Como por exemplo, a utilização da toxina botulínica, quando mal aplicada, pode proporcionar um efeito temporariamente irreversível na face do paciente. Outro exemplo disso são os peelings químicos profundos e tóxicos que necessitam da utilização de medicamentos controlados pós procedimento, assim como a realização de procedimentos com lasers em modo ablativo profundo. Devido à complexidade e agravamento pós procedimento, até mesmo, a classe médica está deixando de lado tais intervenções agressivas, preferindo as técnicas mais seguras e com resultados comprovados de médio e longo prazo.

Em caso de erro durante o procedimento realizado pelo biomédico em sua clínica, rapidamente devem ser tomados os primeiros cuidados e, se necessário encaminhar o paciente a um profissional que possa ajudar no caso.

Por isso que a nossa atuação deve ser cautelosa e consciente, pois estamos em um momento importante para a Biomedicina Estética, buscando a consolidação da Classe. Sermos conservadores em nossos procedimentos é a melhor forma de nos estabelecermos perante às classes da saúde atuantes no mercado da estética.

Dra Ana Carolina Puga – Biomedicina Estética CBCO- outubro 2011