Primeiramente, todos os procedimentos já aprovados na Biomedicina Estética têm um baixo risco de lesão uma vez sendo respeitados os parâmetros de biossegurança preconizados em nossa classe. Todos os tratamentos já devem partir do princípio de evitar ao máximo a exposição do biomédico a situações que o deixará em “maus lençóis”. Como por exemplo, a utilização da toxina botulínica, quando mal aplicada, pode proporcionar um efeito temporariamente irreversível na face do paciente. Outro exemplo disso são os peelings químicos profundos e tóxicos que necessitam da utilização de medicamentos controlados pós procedimento, assim como a realização de procedimentos com lasers em modo ablativo profundo. Devido à complexidade e agravamento pós procedimento, até mesmo, a classe médica está deixando de lado tais intervenções agressivas, preferindo as técnicas mais seguras e com resultados comprovados de médio e longo prazo.

Em caso de erro durante o procedimento realizado pelo biomédico em sua clínica, rapidamente devem ser tomados os primeiros cuidados e, se necessário encaminhar o paciente a um profissional que possa ajudar no caso.

Por isso que a nossa atuação deve ser cautelosa e consciente, pois estamos em um momento importante para a Biomedicina Estética, buscando a consolidação da Classe. Sermos conservadores em nossos procedimentos é a melhor forma de nos estabelecermos perante às classes da saúde atuantes no mercado da estética.

Dra Ana Carolina Puga – Biomedicina Estética CBCO- outubro 2011
SHARE
Previous articleDepoimentos
Next articleAtuação Legal na Biomedicina Estética

CRBM: 5589 – Biomédica Esteta
Ana Carolina Puga é brasileira, de Sertãozinho-SP, cidade do interior de São Paulo, mãe de uma linda filha e Mãe da Biomedicina Estética. Após ter ingressado no curso de Biomedicina pela Barão de Mauá, foi convocada a fazer Medicina na Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto-SP, porém, decidiu-se pela Biomedicina, profissão pela qual trilha uma brilhante carreira e deixando sua marca sempre por onde passa, formando-se como uma das 2 melhores alunas de Biomedicina da turma daquele ano.

11 COMMENTS

  1. Quer dizer que o biomédico tem que ter cautela??? Ele não pode esperar nenhuma complicação? Se complicar ele vai ter que mandar para o Médico??
    Poxa, que situação controversa?! Quem pratica o ATO, tem que ser responsável por ele e não encaminhar o paciente para outro profissional quando houver uma complicação…
    Com certeza se algum paciente ler este texto acima, nunca vai querer fazer um botox, um laser Co2 fracionado por um biomédico, pois se houver uma complicação vai ouvir do biomédico: Olha, eu só faco a aplicação…. quem trata da complicação é o médico, viu…. Boa Sorte!

    • Cláudio,

      Falo em cautela, falo em ser realmente responsável pelo procedimento que está realizando. Não tem lógica o biomédico realizar procedimentos que requerem intervenção médica durante ou pós, como os peelings profundos.
      Estamos ocupando um espaço existente entre os Esteticistas e os Médicos, não devemos realizar procedimentos que invada outras áreas, mas também não devemos nos recuar e ficar com medo. Basta se preparar bem, saber o que está fazendo, como, quando e o por quê. Se você Biomédico estiver bem capacitado, com certeza estará seguro em aplicar os procedimentos em Biomedicina Estética, sem precisar recorrer a outro profissional da área.
      Os procedimentos sugeridos e até então praticados, inclusive os invasivos não cirúrgico, tem o mínimo de risco durante e pós procedimento. Se este limite for respeitado nada de pior acontecerá, a única coisa é que o Biomédico deve estar consciente sim da sua responsabilidade, no ato da aplicação como nos cuidados pós tratamentos.
      Espero ter sido um pouco mais clara.
      Devemos sim ser os responsáveis por nossos atos!

      Saudações Biomédicas!

      Ana Carolina Puga

    • Não entendi uma coisa é talvez o Cláudio possa me explicar!!!!
      Bom significa que um paciente que sofre uma lesão neurológica em decorrencia de uma cirurgia plástica vai ser tratado pelo próprio cirurgião plástico ao invés de um neurologista?
      Sei não acredito na interdisciplinaridade na atenção a saúde e não vejo problema em trabalhar desta forma, mas se o Cláudio estiver certo, não existe justificativa de se ter especialidades na medicina, pois toda a atenção pode ser dada em qualquer área da saúde pelo médico!
      Imagino um dermatologista clínico fazendo uma neurocirurgia intensivista, acho que dá certo!!!!!

  2. Se nem a especialidade “MEDICINA ESTÉTICA” exite, o que se dirá da “BIOMEDICINA ESTÉTICA”????
    Não existe “espaço entre os Esteticistas e os Médicos” que precise ser preenchido!! Por isso, minha filha, volta pro seu laboratório e vai ser o que você estudou para ser! Ou entra no Senac e faz um cursinho de 2 anos pra ser esteticista!

    • Bem, de fato a especialidade MEDICINA ESTÉTICA é condenada pelo Supremo Tribunal da Justiça, em que o próprio CFM move ação contra os médicos.

      Outro fator é que na medicina os procedimentos estéticos não são reconhecidos, pois tratam de serviços de atividades-fins, ou seja, representam a mercantilização da medicina, o que incorre mais um ato de infração a vocês médicos.

      Não é porque fez uma pós em Medicina Estética que pode se dizer MEDICO ESTETA ou que atua com MEDICINA ESTÉTICA, pois a mesma não existe e não há habilitação pelo seu conselho (CRM).

      Na medicina o médico Dermatologista-Cosmiatra e o Cirurgião Plástico são os que podem se dizer reconhecidos por seus conselhos e atuarem em parte na estética, mas não escapam de ações civis por erros médicos ocasionados em procedimentos estéticos.

      O que diferencia a atuação do médico Dermatologista e do Biomédico Esteta é que o médico atua com procedimentos cirúrgicos e medicamentos controlados. Nós biomédicos trabalhamos com procedimentos invasivos não cirúrgicos e com medicamentos não controlados.

      Quem está mal enquadrado neste meio é aquele médico que não é nem dermatologista e nem cirurgião plástico. Para este caso o mais recomendado é que ele ingresse na faculdade de Biomedicina e faça uma pós graduação em Biomedicina Estética, podendo atuar legalmente, sem maiores problemas com o CRM. Pois o exercício de duas ou mais profissões é permitido por Constituição.

      Ao contrário de nós biomédicos, que temos o RECONHECIMENTO da especialidade BIOMEDICINA ESTÉTICA por nosso conselho (CFBM), somos habilitados legalmente!

      Todo conceito que o Homem não modifica com a sua evolução, torna-se um preconceito!

      Neste caso não preciso voltar à escola… talvez você precise estudar um pouco mais sobre atualidades e o avanço da Biomedicina!

      Saudações Biomédicas!

      Ana Carolina Puga

      • O biomedico nao esta apto para para fazer uso de procedimentos invasivos , ou seja , a aplicacao de botox e procedimento medico que deve ser realizado por profissional habilitado e reconhecido para para procedimentos invasivos.

  3. Dra Ana Carolina. Admiro seu pioneirismo e atuação. Trabalho há cinco anos em um laboratório de análises clínicas e estou pensando em me direcionar para a área de biomedicina estética. Mas estou receosa, procurei um advogado que me disse que, até o momento, nos workshops em que poderia aprender os procedimento são considerados exercício ilegal da medicina, como por exemplo aplicação de botox, preenchedor, laser, etc. Por favor, gostaria de uma orientação sua sobre o assunto. Muito grata e mais uma vez, parabéns!

    • Olá Martha,

      tudo bem?

      Acredito que o seu advogado está desatualizado, ele lhe afirmou isso? Ele lhe apresentou os embasamentos legais? O que o levou a lhe dizer isso?

      Os advogados do CFBM e da SBBME estão por dentro de nossas atuações, pois já está regulamentado esta área em nossa profissão. Talvez, seu advogado precise se informar melhor. Passe para ele os contatos do CFBM e CRBMs e se ainda assim necessitar temos o advogado da SBBME, para ajudar. A resolução é a 197 de 21/02/2011 e a 200 de 01/07/2011.

      Tudo o que fazemos atualmente na Biomedicina Estética é de exercício legal do Biomédico!

      Quanto a aprender os procedimentos em workshops conduzidos por médicos, talvez seja bem difícil, pois os médicos não têm interesse de ensinar outros profissionais não médicos, sendo que inclusive, é um motivo de infração ética perante o CRM, que por outro lado, não reconhece tais procedimentos estéticos como procedimentos médicos. Vai entender essa contradição!!??

      Para não correr nenhum risco, sugiro que faça seus cursos com nós biomédicos, assim terá toda orientação legal que procura, além de todo o conhecimento necessário para atuar como Biomédica Esteta.

      Saudações Biomédicas!

      Ana Carolina Puga

  4. Olá Ana Carolina, tudo bem?
    Gostaria de saber se uma pessoa formada em Tecnólogo em Estética pode fazer a pós em Biomedicina Estética e atuar com procedimentos invasivos.
    Obrigada pela atenção.

    • Ola tudo bem?

      O tecnólogo não pode realizar os procedimentos injetáveis perfurocortantes, a pós para estes profissionais é a pós em Saúde Estética, onde aprendem sobre os procedimentos injetáveis não-invasivos. Isso é assunto de competência dos Conselhos de Classes e Vigilância. Nosso papel neste caso é com a Educação deste ou daquele profissional. A LDB e o MEC nos dá autonomia para ensinarmos tais procedimentos. Regem as Leis que direito de aprender não pode ser impedido por questões de assuntos profissionais. Pois é importante que o tecnólogo conheça e saiba trabalhar em parceria com os biomédicos estetas, que são hoje os profissionais que atuam legalmente com estes procedimentos injetáveis. O trabalho em parceria enriquece a área da estética.

      Abraços.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here